10 Práticas Importantes para Laboratórios Produzirem Resultados Precisos

Práticas para Laboratórios
Acreditação Laboratorial / Uncategorized

10 Práticas Importantes para Laboratórios Produzirem Resultados Precisos

Melhores Práticas para Laboratórios

Os analistas, organizações de teste e laboratórios devem conhecer as melhores práticas para os laboratórios quando realizam tarefas analíticas nas suas operações diárias. A falta de uma destas pode ter impacto na validade de um resultado de teste.

É por isso que a Academia QSE salienta que resultados precisos são significativos para a vida da sua empresa, das partes interessadas, dos clientes e do público.

Não só estas etapas poderão ajudar o seu laboratório a funcionar, como também poderão ser trampolins no seu caminho para a acreditação.

1. Formular e seguir procedimentos simples

É aconselhável desenvolver um sistema de qualidade abrangente. Para o impulsionar ainda mais, o seu laboratório pode incluir um sistema electrónico de gestão de informação laboratorial.

Assim, o seu laboratório deve criar procedimentos ordenados na identificação, recepção, atribuição, teste, eliminação, e comunicação de amostras.

Por exemplo, pode designar uma equipa analítica ou utilizar um identificador único ao receber uma amostra. A Academia QSE tem ajudado os laboratórios na aplicação da informação da amostra, como a data de chegada ou o código do cliente.

Para este assunto, recomendamos a utilização de critérios, como a carga de trabalho ou o tipo de amostra, ao atribuir uma amostra a uma equipa ou a um analista. Em seguida, mover as amostras para uma zona de fila para que o analista ou equipa faça a sua tarefa.

Aqui estão outros pontos vitais a considerar:

  • Utilizar um processo metódico na pós-análise da disposição das amostras.
  • Colocar regras de segurança e ambientais nos registos de inventário.
  • Manter uma cadeia de custódia válida em caso de acção judicial.
  • Conservar ou devolver amostras ao remetente em caso de acção judicial.

2. Sustentar a proficiência

Para manter a capacidade na execução de tarefas, os analistas devem ter a educação, experiência, ou formação necessárias. Tal deve ser alcançado através de formação de aprendizes ou de educação formal.

Além disso, os analistas devem participar em testes de proficiência. Desta forma, o seu laboratório garante que os analistas mantêm a sua proficiência ao longo do tempo. Consequentemente, pode assegurar aos interessados e clientes que o seu laboratório pode executar métodos de teste para produzir resultados válidos.

A Academia QSE sugere que a educação ou a formação contínua expande as capacidades dos analistas.

Isto também se aplica aos novos equipamentos ou instrumentos em que o seu laboratório deve aplicar o pacote de formação do fabricante.

3. Seleccionar e Validar Métodos

Os laboratórios de ensaio e calibração devem escolher um método de ensaio que possa produzir resultados precisos.

Os métodos de teste podem vir de:

  • Consórcios
  • Universidades
  • Indivíduos
  • Organizações
  • Fabricantes de equipamento e instrumentos
  • Organizações de desenvolvimento de normas

Portanto, o seu laboratório deve utilizar a validação do método para defender um método seleccionado.

Por exemplo, pode empregar analistas que irão executar o método utilizando o mesmo objecto de teste. Lembre-se de que deve ter um resultado ou resultado previsível.

Para assegurar uma validação bem sucedida, os resultados devem estar dentro de uma margem de erro estatisticamente aceitável.

Se existir, o seu laboratório pode utilizar um artefacto de teste com um resultado conhecido. Outra opção é um material de referência padrão rastreável do Instituto Nacional de Normas e Tecnologia (NIST).

Uma vez que o seu laboratório possa validar um método, poderá também desenvolver novos métodos.

No entanto, os laboratórios de investigação podem ter apenas um único teste em funcionamento, todos com um método sem histórico de utilização.

Para validar, podem comunicar os procedimentos utilizados para desenvolver o método. Os laboratórios podem obtê-lo a partir da publicação para avaliar o método para erros sistémicos. Posteriormente, podem utilizar uma publicação para reproduzir o trabalho e obter os mesmos resultados.

Outro cenário complicador são os laboratórios que têm métodos de validação inexistentes ou poucos. Há duas opções para o processo de validação:

  1. Pedir a vários analistas que executem o método usando o mesmo artefacto de teste ou Material de Referência Padrão.
  2. Desenvolver gráficos de controlo apropriados para rastrear os resultados de testes de um ou mais analistas. Utilizar as cartas de controlo para medir a exactidão, incerteza e reprodutibilidade do método.

4. Usar Materiais de Referência Padrão Rastreáveis

O material de referência vem com métodos de validação. Estes garantem dados precisos de proficiência do analista, testes individuais, e instrumentos de calibração.

O Referência Padrão NIST O material é considerado como o ápice. O NIST tem mais de 1.000 SRMs que podem cobrir diversas tecnologias. Com efeito, os resultados que têm MRE rastreáveis do NIST são geralmente reconhecidos como válidos.

Note-se que um SRM deve ser apropriado num laboratório químico analítico para análises quantitativas. Isto também se aplica a uma série de materiais de referência com conteúdo elementar conhecido.

No entanto, os SRM da NIST não abrangem todas as necessidades de análises laboratoriais. Para esta situação, é melhor utilizar normas de outras entidades ou organizações.

5. Testes com réplicas

Testes em duplicado ou triplicado para aumentar a confiança na execução do teste. Os dados replicados não provam a validade dos dados. No entanto, é uma boa medida de reprodutibilidade do método.

Se os dados replicados não estiverem de acordo, poderá haver um ou mais pontos de dados inválidos. Quando isto acontece, a Academia QSE recomenda que se volte a testar o objecto ou a rever o procedimento.

Por outro lado, é possível assegurar a confiança se o mesmo teste for realizado com material de referência.

6. Preservar os dados originais do teste

Os dados gravados são parte integrante da documentação. Manter registos de dados provenientes de:

  • Papel de sucata
  • Cadernos de notas
  • Bases de dados
  • Formulários eléctricos ou digitais
  • Analisadores automatizados
  • Folhas de cálculo
  • Documentos manuscritos
  • Unidade flash USB ou CD
  • Outros suportes ou plataformas semelhantes

No caso de meios de comunicação desactualizados, os laboratórios têm de se debruçar sobre o tempo durante o qual podem manter os dados. Os laboratórios devem também ser capazes de transferir ficheiros para novos meios de comunicação.

7. Atribuir equipamento e instrumentos a analistas

Existem instrumentos temperamentais e sofisticados que devem ser atribuídos aos analistas.

A atribuição de equipamento a um único analista minimiza a calibração, manutenção, e tempo de utilização. No entanto, esse membro do pessoal deve manter o equipamento operacional, e alertar o laboratório para a existência de avarias.

No caso de muitos analistas que utilizam um único instrumento, um utilizador primário o fará:

  • utilização do tempo programado;
  • manusear a calibração e a manutenção;
  • assegurar os gráficos de controlo;
  • notificar a equipa sobre problemas;
  • determinar com a gestão do laboratório se existem fundos para reparação;
  • reparação do monitor.

8. Efectuar Calibração de Instrumentos

Os laboratórios devem calibrar para confirmar que um instrumento pode funcionar correctamente. Utilizar um analisador sofisticado ou um simples equilíbrio para este processo.

Os laboratórios acreditados requerem a calibração periódica de instrumentos de organizações externas certificadas.

Na maioria dos casos, um resultado incorrecto com um SRM equivale a um problema com um instrumento. Muitas vezes, os analistas podem detectar problemas ao ouvirem o instrumento.

Reiniciar o sistema electrónico de um instrumento é uma recalibração simples e comum.

Se o problema for pior, o analista designado pode resolver a situação com a ajuda de um técnico de instrumentos ou de um serviço profissional de calibração.

9. Optimizar Gráficos de Controlo

Um gráfico de controlo monitoriza os resultados de uma amostra de controlo e/ou material de referência. Da mesma forma, pode evitar que os resultados incertos cheguem aos clientes.

Assim, obtém indicações imediatas, mensuráveis, e visuais. Em suma, o seu laboratório pode ver a qualidade dos resultados dos testes.

Pode utilizar cartas de controlo para verificar o desempenho do seu laboratório, analistas, membros do pessoal, instrumentos ou variáveis.

Um gráfico de controlo de Shewhart apresenta os resultados de testes individuais para uma amostra de controlo ou material de referência. Note-se que os limites de controlo podem ser estabelecidos caso a caso.

Se os resultados estiverem dentro dos limites de controlo, o seu laboratório pode retomar as operações normais. Mas se a amostra de controlo conduzir a resultados fora dos limites de controlo, o seu laboratório pode repetir o teste para garantir a precisão.

10. Manter Bons Registos e Documentação

A documentação é a prova de que o seu laboratório seguiu as melhores práticas. Da mesma forma, garante aos clientes, autoridades governamentais, e auditores que o seu laboratório tem procedimentos adequados.

Por conseguinte, os analistas devem criar documentação para cada aspecto das suas tarefas.

Além disso, pode utilizar estes documentos para formar novos membros ou fornecer prontamente aos clientes cópias dos seus resultados. No caso de acções judiciais, pode utilizar a documentação para defender os procedimentos e resultados dos testes.

Finalmente, se o seu laboratório tem como objectivo a acreditação, pode facilmente reunir ficheiros relativos a testes de proficiência, validação de métodos, e calibração de instrumentos.

Lembre-se que cada prática necessita documentação adequada. Para ajudar a sua empresa a tornar-se fiável, a Academia QSE sugere a aplicação destas práticas aos seus procedimentos de rotina.

Temos também conjuntos de ferramentas que pode optimizar ao executar as 10 melhores práticas dos laboratórios.

Partilhar nas redes sociais

Leave your thought here

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

2 × 5 =

Obtenha o nosso livro electrónico gratuito

Nova revisão ISO 17025 2017

As suas informações nunca serão partilhadas com terceiros